terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

HISTÓRIA DOS ENGENHOS DO CEARÁ-MIRIM


ENGENHO SÃO LEOPOLDO
(Antigo Engenho Alabama)

Por ACLA
Ceará-Mirim é uma das mais antigas cidades do Rio Grande do Norte. Por volta de 1535 a 1536, os donatários da capitania começaram a povoar as margens do rio Ceará-Mirim, contudo encontraram grande hostilidade dos índios e tiveram que recuar. Mediante tal registro comprova-se que o município de Ceará-Mirim é mais antigo que o município de Natal.
O século XIX, especificamente o ano de 1860, Ceará-Mirim possuía 44 engenhos segundo o historiador Tavares de Lira, e nessa época o engenho São Leopoldo já estava em funcionamento, produzindo açúcar mascavo.
Conta a história, que Engenho São Leopoldo foi fundado por Leopoldo Raposo da Câmara, e o seu descendente que o administrou mais tempo, foi Jorge Fernandes Câmara que era um senhor de engenho; possuía o mesmo, uma mentalidade progressista para aquela época, modernizando o referido engenho, introduzindo inclusive, o cultivo de novas e variadas mudas de cana, mais adequadas as terras de paul, mesclando desta feita o plantio em suas terras. 
Era um engenho de grande porte e produzia em larga escala açúcar e melaço. 
Em 1894, uma grande enchente inunda todo o vale do Ceará-Mirim afetando substancialmente a produção de açúcar que declinou bastante, fazendo com que outras alternativas viabilizassem uma solução para o momento de crise. A saída para um novo tipo de produto viável para o mercado, foi a fabricação de mel e aguardente.
Muitos anos se passaram, e a propriedade do engenho não mais pertence à família Leopoldo da Câmara, mas a um novo proprietário, diga-se, ao historiador Franklin Marinho Barbosa de Queiroz.
Algumas curiosidades sobre o engenho merecem ser citadas: 
Sabe-se que foi no Engenho São Leopoldo que nasceu em 1898 o escritor Jaime Adour da Câmara, patrono da cadeira número 10 da Academia Ceará-Mirinense de Letras e Artes Pedro Simões Neto - ACLA.
Que o primeiro proprietário Jorge Fernandes da Câmara era um intelectual não de formação acadêmica, mas um autodidata, assim como o seu atual proprietário, Franklin Marinho Barbosa de Queiroz, um hábil historiador, um autodidata também.
Sabe-se também, que Jorge Leopoldo da Câmara durante o período de intervenção no Estado do Rio Grande do Norte, em função da revolução de 1930, assume o poder o paraibano Irineu Jofilly indicado que foi por Getúlio Vargas; No curto tempo de mandato do Jofilly, Jorge Leopoldo é indicado para ser prefeito de Ceará-Mirim (um mandato relâmpago). O último administrador da família foi seu neto Jorge Câmara Cavalcanti Albuquerque Silva, que também assumiu a prefeitura da cidade, na qualidade de vice-prefeito, em razão do falecimento do titular.
Hoje a Casa Grande do Engenho São Leopoldo é um local de visitação para turistas e estudantes em busca das histórias contadas e escritas de uma época aurea em Ceará-Mirim/RN.


Nenhum comentário: